Se possível, estarei sempre procurando inovar.

Pessoal, agradeço a vocês por dedicar alguma parte de seu precioso tempo, somente para ler minhas poesias.
De coração, muitíssimo obrigado(a) a todos.
Sergio Silas M. Novais

sexta-feira, 29 de agosto de 2014



Mais um mês

O que era um mês
Quando meu olhar fitou o teu
A primeira vez?


Eram descobertas,
Risos, toques, carinho...
E um sentimento alerta.


Hoje a paciência se esgotou.
Pelos meus erros e atitudes?
Contudo, saiba que em mim há virtudes,
Pois o meu amor não se findou.


O tempo pode ter em si algo misterioso
Mas ele não interrompe,
Meu amor minucioso.


Sou feliz e isto exala ao redigir
Um poema cuja inspiração não padece,
E uma luta que mais uma vez cresce:
É mais mês a prosseguir!










Autor: Sergio Silas Morgato Novais.


Dedico a mais bela inspiração, cujos detalhes são inúmeros e jamais serei capaz de descrever algo mui celestial que é sua formidável beleza: Daniele Dos Santos Vieira!

Te amo meu amor e que um mês seja notado em nosso relacionamento como mais dias de Gloria!

Afinal, nenhum caminho de rosas leva à Gloria!
( Juntos e unidos venceremos ) 

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Desabafo!

Quando algo não acontecer, não deixe lutar.
Pois se tudo passa como os ventos, não há prazer em esperar. 

As pessoas se convenceram que o amor é o capital.
O engano esta explícito e o erro é fatal:
Um amor a base do dinheiro ele é surreal!

No entanto, esse não é o motivo no qual escrevi.
A verdade é que saudade quem me trouxe até aqui!

Pois no fundo todos nós sabemos,
Que a vida é construída a base de erros.
E o meu maior foi ter magoado a você!

O perdão é amigo do tempo,
Que vai embora com o vento,
Num processo lento,
Com um risco enorme de eu te perder...

Hoje a minha escrita é um desabafo
Pois todo tempo perdido
Foi um caráter erguido
Como cada estrofe e esse parágrafo!

Atualmente tudo se modificou:
O perfil está ainda mais cativante,
Os olhos continuam endagantes
E o amor, este só aumentou!!!





Sergio Silas Morgato Novais

sábado, 24 de agosto de 2013

O verdadeiro Poema!

Sabe, depois de ficar tanto tempo sem postar nada, decidi postar que estou amando :)
Não amando muito, estou amando dimais!!
E como o amor é um substantivo abstrato, nada melhor que descrevê-lo com simples gestos.

Poemas, musicas, atitudes - PRINCIPALMENTE ATITUDES- e muito respeito.
O amor nunca falha. Quem falha somos nós por deixarmos de sentir algo tão formidável!

E aqueles que entram no meu blog a procura de um novo poema, saiba que todos nós temos um lado poeta; seja redigindo ou demonstrando.
Afinal, tem coisas que dizem muito mais que um poema:




Dedico essas palavras, que assombram-me nos momentos de mais pura reflexão, a minha Afrodite:
Daniele dos Santos Vieira (morgat...? rs.)
Eu te amo, minha perene inspiração.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Lisonjeado


Fico lisonjeado por observar:
Que o destino,
Venho me entregar
Algo, formidável e repentino...

Fico lisonjeado por em pouco tempo,
Sentir um minuto se prolongar...
E na dúvida, se onsigo, tento:
Um beijo seu roubar!

Fico lisonjeado por saber que posso amar.
Embora, eu, seja incapaz:
De um anjo tocar,
O amor será eficaz!

Fico lisonjeado por fitar atrevidamente,
Seu sorriso e seu, tímido, olhar
E eternamente:
Pretendo adimirar...

Fico lisonjeado em prometer e cumprir!
São versos simples, a altura de algo imenso,
E peticiono: não deixas de suprimir,
Este perfume, contagiante e intenso!...

Não; eu não sou e jamais serei:
Um sedutor ou poeta.
Contudo, sinto e sei:
Que, hoje e sempre, encontrei a inspiração certa!






Dedico, estes míseros, porém francos, versos, a ti! Bens sabes que, atualmente, sois vós que tens      fisgado-me com teus traços anjelicais!!!

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Primeira vez...


Com o sorriso cativante...
Endagou: o que sou perante ti?
Eu só com o olhar lhe respondi:
És mais que um horizonte;


Que estou destinado a me lembrar!
Seu cabelos...
Formidáveis como o sol,
Seus olhar, que fisgou-me como o anzol.


Sua pele macia...
É como as nuvens, que jamais pude tocar.
Seus lábios, que tentem me beijar:
São a perfeição de sua fisionomia.


Era feliz por olhar fundo em seus olhos;
Fitava duas luas cheias...
Era preso em ti, como a aranha prende a teia!


Para que não fique em meus versos,
Que são feitos com paixão,
Saibas, que é seu meu coração...
E que não fui perverso:


Em descrever o mínimo do imenso que tu és.
Contudo da observação,
Surge, até, uma canção;
No qual, jamais, chegará ao seus pés.


Todavia, sou sincero em dizer:
Que mais posso lhe mostrar,
Basta só se recordar;
Do que, dentro, em ti estas a ferver:


Uma adimiração, talvez...
Mas, por mim, lembre-se:
Que o sentimento não deteve-se!
É o mesmo da primeira vez.






Você sabe...

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Misteriosa...

O mistério de não conhecê-la,
E o mesmo de querer tê-la.
Sei que é cedo, mas não tarde,
Para contar a verdade:

Que sempre admirei:
Sua beleza e formosura,
Seu porte, sua doçura...
Perdi  tempo, talvez, mas esperei,

O dia e à hora certa,
Sem pressa, sem ambição...
E confesso coração:
Que a porta está aberta!

Se caso entrar, descobrirá o que há,
Porém, se entrar não se vá...
Para longe de mim...
Afinal, o que é lindo, não pode ter fim!...





Dedico esses míseros versos a Misteriosa...

sábado, 12 de novembro de 2011

Missiva ao amigo.



Querido amigo  me diga:
O que há contigo?
Pois estais distante em nossa amizade.
Se esqueceu da realidade:

Eramos e somos irmãos,
Nas dificuldades, tristes, davamos as mãos...
Tu és, para mim, proficiente e eu o estimo.
A ti, autuo esta missiva em versos, e afirmo:

Que na amizade, sendo esta fascinante,
Não se pode ficar distante!
Lembranças que, jamais poderão se apagar:
São súmulas que não param de me perturbar...

Perturbam no sentido de saudade,
Porque antes, nos estimavamos de verdade...
Por fim, há demasiados a se citar...
Contudo tu és muito, para o pouco, que sei me expressar.


Para: Miqueias Lima Coelho.